É a-histórico falar que Marx era branco (por Alexsandro Casemiro)

Marx África

Só um toque, é a-histórico falar que Marx era branco. Ele foi julgado por seus contemporâneos, aparentemente, por ter características físicas associadas (na mente deles, pelo menos) à região do Magreb no norte da África, por isso o apelido de Mouro. Mas Marx não era Mouro, essa associação era usada para destacar a herança judaica de Marx, insinuando que ele não era totalmente reconhecido como alemão.

Mesmo com conversão de seu pai aos 35 anos de idade para o Cristianismo Luterano, o que era necessário porque uma reforma legal prussiana Pós-Napoleônica tornava ilegal que os judeus praticassem a lei, Marx era considerado pelos seus pares como judeu. Para deixar isso claro, duas coisas precisam ser estabelecidas: que os judeus europeus no século XIX não eram brancos; e que Marx e muitos outros primeiros marxistas também eram judeus, no sentido relevante, mesmo que fossem seculares ou ateus, como a maioria era.

Essas duas questões estão, de fato, intimamente relacionadas, porque, para argumentar que os judeus europeus no século 19 não eram brancos, é preciso estabelecer que os judeus eram considerados, não simplesmente como um grupo religioso, que se poderia sair por meio de conversão a outra religião ou adoção do ateísmo, mas racial, da qual nenhuma escapatória era possível.

Os judeus na Europa em geral, e na Alemanha de Marx especificamente, eram submetidos à subordinação sistemática, sendo frequentemente perseguidos impiedosamente. Os mecanismos dessa subordinação iam desde os pogroms (tumultos violentos antissemitas) do império russo até a negação duradoura aos judeus dos direitos civis em toda a Europa, até a disseminação de ideologias de inferioridade judaica, às vezes biologicamente e às vezes culturalmente estruturadas.

A palavra ‘racismo’ entrou em uso comum nos anos 1930, quando uma nova palavra foi exigida para descrever as teorias sobre as quais os nazistas basearam sua perseguição. A versão racista do antissemitismo diferia da versão religiosa na medida em que estava ligada a uma interpretação essencialista do que era visto como sendo de má reputação sobre o judaísmo.

Na perseguição religiosa, é a afiliação religiosa de alguém que é desacreditada, mas que pode ser mudada por meio da conversão; na versão racista, a visão não é de que os judeus são ruins porque sua religião tem características de má reputação, mas que seu judaísmo anterior, mais fundamental, explica os supostos defeitos da religião que a maioria deles pratica, e nenhuma mera mudança de afiliação religiosa muda isso. Então amiguinho, apesar de seu ateísmo e da conversão de seus pais ao cristianismo, Marx era visto por seus pares como um estrangeiro, um judeu cujas raízes eram encontradas no Oriente Médio, não na Alemanha.

Segura essa emoção quando for falar das coisas qual você não sabe, ok

Por Alexsandro Casemiro.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s